Como evitar problemas de saúde comuns no verão?

O calor intenso aumenta o risco de desidratação, principalmente nos idosos. Problemas de circulação, queda de pressão arterial e doenças da pele também merecem maior atenção.

 

  • Desidratação

Com envelhecimento as estruturas que recebem o estímulo da sede e fazem controle térmico sofrem alterações, e o idoso acaba sentido menos sede e ficando mais desidratado.

Outro fator do envelhecimento que colabora com a redução de líquido no organismo é a perda de massa muscular e gordura.

Somando-se as alterções de temperatura e umidade naturais do  verão,  a chance de desidratação entre os idosos é muito maior e perigosa.

Alguns dos sinais da desidratação são desorientação (confusão mental) e diminuição da vontade de fazer atividades rotineiras. Pode haver surgimento de cálculos renais, já que a urina fica mais concentrada.

Para evitar esse quadro, a recomendação é beber dois litros de água diariamente, ou um copo cheio a cada duas horas, mesmo que não se sinta sede.

  • Inchaço

As altas temperaturas também podem provocar inchaço nas pernas, principalmente entre pessoas que passam várias horas do dia sentadas. Quando estamos parados, a circulação fica mais lenta, principalmente em dias quentes, quando os vasos dilatam e o sangue acumula em uma região. É normal que a perna fique pesada e até inchada.

O grande remédio é fazer alguma atividade física. Pequenas caminhadas dentro de casa ou no trabalho já são suficientes.

  • Queda de pressão

Em dias de temperaturas elevadas é tendência natural haver queda da pressão arterial. Com o calor, as artérias ficam mais dilatadas e o sangue tem mais espaço para circular. Quem toma medicamentos vasodilatadores, para pressão alta, podem ter esse efeito acentuado e sofrer hipotensão, sendo a tontura e vista embaçada os principais sintomas.

A dica para evitar esse problema é simples, e está relacionada com a prevenção da desidratação: beber muito líquido, como sucos, água, chá e isotônicos.

 

  • Problemas de pele

Muito comum nesta época o aparecimento de micoses, herpes e brotoejas.

- Quando o indivíduo já tem o vírus do herpes no organismo, o sol acaba propiciando o aparecimento das crises, principalmente de herpes labial, que resultam naquelas bolhinhas d’água, como se fossem cachos de uva. É importante lembrar que elas são altamente transmissíveis, Para prevenir, é importante utilizar protetor labial com filtro solar.

- Já a brotoeja ocorre quando há obstrução das glândulas sudoríparas, o que impede a saída do suor. Elas são mais comuns em crianças, que transpiram mais, principalmente se utilizarem roupas fechadas. A pele fica avermelhada e as lesões aparecem mais no tronco, pescoço, dobras das pernas e tórax.

- Em relação à micose, deve -se evitar sentar diretamente na areia ou ficar com roupa de banho molhada por muito tempo no corpo. O ambiente de calor e umidade é ideal para o fungo se instalar. No calor, tente não repetir os sapatos. Após chegar do trabalho, coloque-o arejar e no dia seguinte, utilize outro par.

 

Dra Flavia Renata Topciu – CRM 121.925

Geriatra pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia

Especialista em Cuidados Paliativos pela Associação Médica Brasileira