Dirigir na terceira idade – Quando parar?

Maio Amarelo traz o tema “NO TRÂNSITO, O SENTIDO É A VIDA”, aprovado pelo (Contran) Conselho Nacional de Trânsito e recomendado na RESOLUÇÃO Nº 771, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2019.
O tema escolhido propõe o envolvimento direto da sociedade nas ações e uma reflexão sobre uma nova forma de encarar a mobilidade. Trata-se de um estímulo a todos os condutores a optarem por um trânsito mais seguro.

A campanha teve sua inspiração nos cinco sentidos humanos, numa alusão à sinalização de trânsito. Ou seja, o trânsito é feito de sentidos. Para utilizá-lo, é preciso entender todos eles. Uma seta no carro da frente indica para onde ele vai virar. Um pedestre com a mão estirada na faixa de pedestre transmite o sentido de que ele quer efetuar a travessia. Só que, de sentido em sentido, fomos ficando egoístas e causando acidentes.

Segurança no trânsito nos faz refletir também sobre até quando o idoso deve dirigir. Quem pode avaliar ou determinar?

O carro ainda é sinônimo de autonomia para as gerações mais velhas e abrir mão de dirigir representa uma perda considerável. No entanto, há doenças progressivamente incapacitantes, como artrites, e medicamentos cujos efeitos colaterais têm que ser levados em conta.
E quando há leves sinais de demência, que não comprometem a independência do indivíduo mas podem se traduzir em riscos ao volante?

Considerar tais situações e discutir com médico geriatra a melhor maneira de abordar seu familiar ou entender sua própria dificuldade é fundamental para segurança no trânsito, segurança de si mesmo e do próximo!

Abaixo algumas mudanças no comportamento que estão relacionadas à perda da habilidade na direção:
- capacidade de avaliação espacial: por exemplo ser incapaz de manter um percurso estável na pista.
- erros de sequenciamento são mais um sinal, como esquecer de soltar o frio de mão ou ter problemas com as marchas
- tensão ou em situações cotidianas da direção, ou falta de agilidade e eficiência em momentos de maior complexidade ou risco, como encarar cruzamentos movimentados
- Guiar excessivamente devagar
- dificuldades para estacionar, arranhando o automóvel com frequência

Dra Flavia Renata Topciu – CRM 121.925
Geriatra pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia
Especialista em Cuidados Paliativos pela Associação Médica Brasileira